Drogarias e Farmácias

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

DOCUMENTOS REVELAM POLÍTICA DE VIGILÂNCIA SECRETA DO REINO UNIDO


Documentos recém-divulgados oferecem uma rara visão sobre o regime jurídico secreto subjacente programas de vigilância em massa controversas do governo britânico.
Com sede em Londres o grupo Privacy International obteve os arquivos previamente confidenciais como parte de um processo judicial em curso desafiando o âmbito da recolha secreta por'espiões britânicos de grandes quantidades de dados privados.

Millie Graham Wood, Diretor Jurídico a Privacy International, disse em um comunicado quarta-feira que os documentos mostram a extensão impressionante a que as agências de inteligência extraem nossos dados.

Isso pode ser qualquer coisa desde seus registros médicos privados, a sua correspondência com o seu médico ou advogado, até mesmo o que petições assinadas, seus dados financeiros, e atividades comerciais.

Ela acrescentou: "As próprias agências admitem que a maioria dos dados recolhidos refere-se a indivíduos que não são uma ameaça à segurança nacional ou suspeito de um crime. Esta informação altamente sensível sobre nós é vulnerável a ataques de hackers, governos estrangeiros e criminosos."

Os documentos, publicados on-line quarta-feira, relacionam-se principalmente com as regras opacas regulamentando o uso  dos chamados conjuntos de dados pessoais em massa pelas agências de espionagem britânicas, os quais  são obtidos sem qualquer autorização judicial e contêm "dados pessoais de uma ampla gama de indivíduos", a maioria dos quais não são de interesse direto dos serviços de inteligência", de acordo com a definição das próprias agências.

Os conjuntos de dados podem abranger uma vasta variedade de informações, os documentos sugerem, potencialmente revelando detalhes específicas consideradas "sensíveis", tais como as opiniões políticas das pessoas, crenças religiosas, filiação sindical, estado de saúde física ou mental, preferências sexuais, dados biométricos, e registros financeiros.

Eles também podem conter dados que revelem informação legalmente privilegiada, fontes confidenciais dos jornalistas, e "detalhes sobre os indivíduos que estão mortos", um documento diz.

Os documentos incluem códigos de orientação internas para espiões que têm acesso aos sistemas de vigilância.

Um memorando, datado de Junho de 2014, adverte funcionários do MI6, o equivalente à CIA no Reino Unido, contra a realização de uma "auto-search" para os dados sobre si mesmos, oferecendo um exemplo bizarro que serve para ilustrar o alcance do que alguns dos repositórios contêm.

Um exemplo de um inadequado 'busca self' seria usar o banco de dados para se lembrar onde você viajou para que você possa atualizar seus registros", diz o memorando.

Este não é um uso proporcional do sistema, como você pode encontrar essa informação por outros meios (ou seja, verificar os carimbos em seu passaporte ou manter um registro de sua viagem), que iria evitar a intrusão colateral em dados de outras pessoas.

Outro documento adverte os funcionários do MI6 que não devem fazer pesquisas nos bancos de dados de vigilância "para obter informações sobre outros membros da equipe, vizinhos, amigos, conhecidos, familiares e figuras públicas."
Ou seja, ele acrescenta, a menos que seja necessário fazê-lo como parte dos seus deveres oficiais.

A agência diz que tem sistemas de monitoramento no local para capturar quaisquer abusos, mas não está claro se os controles que estão em vigor são suficientes.

Um documento de 2010 do MI6 afirma que "não há supervisão externa" dele ou de seus parceiros para "operações de dados em massa", acrescenta no entanto que esta foi sujeita a revisão.
Em outras partes dos documentos, a agência de espionagem Government Communications Headquarters (GCHQ) e a agência de inteligência doméstica MI5 admitem que eles obtiveram os conjuntos de dados em massa em várias ocasiões, que datam mais de uma década - início da GCHQ, em 1998, e o MI5 em 2005 - nos termos do Artigo 94 da 1984 Lei das Telecomunicações.

As agências argumentam que os dados frustraram planos terroristas e é necessária "para identificar temas de interesse ou indivíduos desconhecidos que emergem no curso das investigações; estabelecem ligações entre indivíduos e grupos, ou de outra forma melhoram a compreensão do comportamento e conexões de um alvo; para validar informações obtidas através de outras fontes; ou para garantir a segurança das operações ou do pessoal".

No ano passado, o The Intercept expôs como o GCHQ tentou nos últimos anos criar o que descreveu como o maior sistema de vigilância do mundo, secretamente colhido de 50 bilhões de registros todos os dias sobre os e-mails das pessoas, telefonemas e hábitos de navegação na Web.

Em  programa cujo codinome é "Karma Police", a agência disse que procurava obter "um perfil de navegação na web para cada usuário visível na internet."

Participe da discussão no Fórum Anti-NOM.