BitMiner - free and simple next generation Bitcoin mining software

terça-feira, 30 de maio de 2017

PASTORES METODISTAS, PRESBITERIANOS, EPISCOPAIS E BATISTAS LIDERAM COMÍCIO A FAVOR DO ABORTO NOS EUA


Mas há algumas que se desviam do ensino e promovem o aborto.

Um grupo de líderes eclesiásticos do Estado de Nova Iorque recentemente defendeu o aborto na capital estadual, conforme reportagem da Rede Noticiosa Cristã.

Juntos, ativistas abortistas que se identificam como católicos, presbiterianos, metodistas, episcopais, batistas, unitaristas e judeus exortaram os legisladores do Estado de Nova Iorque a apoiar o aborto e a Federação de Planejamento Familiar, a maior rede de clínicas de aborto dos Estados Unidos, de acordo com a reportagem.

“Como pastores, cremos na capacidade dos nova-iorquinos de obter serviços médicos apoiados por seus ensinos religiosos e convicções pessoais,” o diretor Dennis Ross, um rabino judeu reformado, disse ao jornal Legislative Gazette. “Pessoas de todas as religiões creem em aborto seguro e legal, acesso à contracepção e educação sexual, e acreditamos que a Federação de Planejamento Familiar é um fornecedor essencial de serviços médicos.”

Sara Hutchinson Ratcliff da organização Católicas pela Escolha, que não é ligada à Igreja Católica, também participou do evento na cidade de Albany.

“Independente do que os bispos católicos possam dizer aos legisladores, a grande maioria dos fiéis na Igreja Católica discorda de nossa hierarquia acerca das questões do aborto, contracepção, e onde e como deveria ser o papel adequado das vozes religiosas na formulação de políticas públicas,” disse Ratcliff.

É preocupante ver esses líderes eclesiásticos investindo seu tempo e energia no apoio da multimilionária indústria do aborto e da destruição da vida dos bebês em gestação quando eles poderiam estar ajudando as mulheres e bebês que precisam desesperadamente de seu apoio.

As religiões judaico-cristãs ensinam seus seguidores a proteger e defender as pessoas mais vulneráveis, até mesmo quando não é fácil. Os bebês no útero são alguns dos seres humanos que mais sofrem discriminação e violações em nossa cultura hoje. Anualmente nos Estados Unidos, aproximadamente 1 milhão de bebês em gestação são abortados, e suas mães e pais muitas vezes ficam feridos e angustiados.

Os líderes eclesiásticos deveriam estar lutando pelos direitos dos bebês em gestação e exortando os membros de suas igrejas a fazer o mesmo. Muitos já estão fazendo isso. Organizações religiosas e casas de adoração muitas vezes apoiam mulheres grávidas e famílias com crianças pequenas fornecendo apoio material e emocional. Alguns administram lares maternais e centros de assistência às grávidas, outros ajudam famílias com dificuldades com despesas de moradia, alimentação e contas médicas. E muitos oferecem amizade e esperança para mulheres grávidas que se sentem oprimidas e temerosas.

Para aqueles que estão chorando por um bebê abortado, mais casas de adoração estão oferecendo aconselhamento pós-aborto e retiros de cura. Eles asseguram àqueles envolvidos em abortos que eles podem perdoar a si mesmos e obter cura do sofrimento.

Esses líderes eclesiásticos pró-aborto não estão ajudando as mulheres ou suas famílias ao promoverem o aborto. Eles estão ajudando apenas a indústria do aborto.



Traduzido por Julio Severo do original em inglês do LifeNews: Methodist, Presbyterian, Episcopalian, and Baptist Pastors Lead Rally for Abortion