Drogarias e Farmácias

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Elitista do Vale do Silício Inicia Religião para Adorar a Inteligência Artificial Como um Deus


Documentos descobertos como parte de um caso judicial separado revelam que o elitista multi-milionário do Vale do Silício, Anthony Levandowski, iniciou uma religião baseada em torno do conceito de adorar a inteligência artificial como um deus.


Levandowski, que atualmente está envolvido em um processo de alto nível com o Google por acusações de que ele roubou dados confidenciais sobre seu programa de carro autônomo e entregou-o à Uber, fundou uma organização religiosa chamada Way of the Future (Caminho do Futuro) há dois anos.

O objetivo da religião é "desenvolver e promover a percepção de uma Divindade baseada na Inteligência Artificial", de acordo com as espécies que atingem a singularidade, o ponto no qual os computadores superam a humanidade em inteligência.

Embora o grupo não tenha respondido aos pedidos do IRS para os formulários que deve enviar anualmente para operar como uma corporação religiosa sem fins lucrativos,"os documentos arquivados na Califórnia mostram que Levandowski é o CEO e Presidente da Way of the Future e que visa através da compreensão e adoração da Divindade, contribuir para o melhoramento da sociedade", relata a revista Wired.

Como já documentamos anteriormente, a singularidade é abraçada por muitos elitistas do Vale do Silício como parte de sua tentativa de conquistar a imortalidade ao combinar o homem com a máquina.

O livro de 1999 de Ray Kurzweil, The Age of Spiritual Machines, descreve o plano de elite tecnocrática para tornar-se super seres humanos, aumentando seus corpos, até o ponto em que uma consciência inteira pode ser carregada em um computador.

"Nós nos tornamos cada vez mais não biológicos ao ponto em que a parte não biológica domina e a parte biológica não é mais importante", disse Kurzweil em 2013. "Na verdade, a parte não biológica - a parte da máquina - será tão poderosa que pode modelar e compreender completamente a parte biológica. Então, mesmo que essa parte biológica se afaste, isso não faria nenhuma diferença".

No entanto, a utopia transhumanista de Kurzweil provavelmente não estará disponível para a totalidade da humanidade, mas será o domínio de uma aristocracia rica, criando ainda outro sistema de classe. Kurzweil admite isso em seu livro, rotulando aqueles que se recusarem ou forem incapazes de aumentar ciberneticamente como MOSHs - Mostly Original Substrate Humans.

Os seres humanos que resistirem à pressão para alterar seus corpos, tornando-se parte ciborgue ou não conseguirem pagar tais procedimentos serão condenados ao ostracismo da sociedade. "Os seres humanos que não utilizarem tais implantes serão incapazes de participar de forma significativa nos diálogos com aqueles que fazem", escreve Kurzweil.

Enquanto Kurzweil diverte-se em seu livro, isso inevitavelmente levará à própria situação descrita por ninguém menos que Unabomber Theodore Kaczynski - amplamente citado por Kurzweil e o colega futurista Bill Joy - onde a elite verá a massa da humanidade como parasitas sem valor e os impedirá de reproduzir-se através de programas de esterilização em massa ou simplesmente os matará de forma definitiva.

"Devido a técnicas melhoradas, a elite terá maior controle sobre as massas; e devido que o trabalho humano não será mais necessário, as massas serão supérfluas, um fardo inútil para o sistema. Se a elite for implacável, eles simplesmente podem decidir exterminar a massa da humanidade. Se eles são humanos, eles podem usar propaganda ou outras técnicas psicológicas ou biológicas para reduzir a taxa de natalidade até que a massa da humanidade se extinga, deixando o mundo para a elite", escreveu Kaczynski em seu manifesto, uma passagem chave citada no livro de Kurzweil.

Tudo isso parece fantástico, mas é o que muitos elitistas ultra-ricos do Vale do Silício acreditam firmemente e, em alguns casos, estão trabalhando.

Leia mais: http://www.anovaordemmundial.com/