Drogarias e Farmácias

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

PASSAGEIRO DE AVIÃO É PRESO NO REINO UNIDO POR ESCREVER 'MORTE A ALÁ' NUM GUARDANAPO, ENQUANTO MUÇULMANOS FAZEM PASSEATA PELO FIM DOS CRISTÃOS


Um passageiro da Qatar Airways que rabiscou "Morte a Alá" num guardanapo porque estava descontente com o serviço de classe executiva enfrenta pena de prisão.

Joseph Breslin, de 36 anos, escreveu as palavras depois de ficar "cansado e irritado" num voo para o aeroporto de Heathrow.

Ele então escreveu uma nota islamofóbica num guardanapo.

O Tribunal de Isleworth ouviu Breslin, que dirige um pub no sul de Londres, dizer que deixou a nota por achar que dois passageiros estavam a pulverizar deliberadamente um perfume para o irritar.

Nota nossa: nunca voe em companhias de países islâmicos. E se puder, evite voar com muçulmanos. A hostilidade e o desprezo são de tal maneira que só vistos.
"Ele estava na classe executiva e foi a reclamar durante todo o voo", disse o promotor Bill McGivern. "Quando o avião estava a chegar a terra, uma das equipas percebeu que ele rabiscava qualquer coisa num guardanapo, sobre o apoio de braços do assento".

"Ele então levantou-se e passou entre dois outros passageiros, deixando uma nota que era muito depreciativa para as pessoas que usavam lenços islâmicos e que dizia 'Morte a Alá'".

O Sr. McGivern disse que a nota, em Inglês, foi traduzida para os passageiros, que ficaram "assustados e aterrorizados". 

Nota nossa: Coitadinhos! Quando os seus irmão de fé chacinam os "infiéis", eles festejam.
- Traduzido e condensado por nós.


----------------------------------

COMENTÁRIO DE ROBERT SPENCER

Talvez Joseph Breslin seja um crápula. Talvez. Mas prisão? Na Grã-Bretanha? Por escrever "Morte a Alá"num guardanapo? E quanto a todos os pregadores dajihad, que o Reino Unido não apenas não processa, mas que são bem-vindos?

Enquanto eu fui banido do pais por fazer notar que o Islão exige a violênca sobre os não muçulmanos, a Grã-Bretanha admite os pregadores da jihad sem a mínima hesitação.
Syed Muzaffar Shah Qadr prega a violência tão extrema que foi banido até do Paqustão. Mas o governo britânico deu-lhe as boas-vindas e deixa-o viver no país.

O governo britânico recentemente admitiu Shaykh Hamza Sodagar no país, apesar de ele ter dito: "Se encontrar homens homossexuais, a punição é uma das cinco coisas. Uma - a mais fácil talvez - esmague-lhe a cabeça, é o mais fácil. Segunda - queime-os até à morte. Terceira - atire-os de um penhasco. Quarta - derrube uma parede sobre eles para que eles morram esmagados.Quinta - uma combinação das anteriores".
Nota nossa: veja o vídeo neste post.

O governo de Theresa May também admitiu no país dois pregadores da jihad que louvam os assassinatos ao abrigo das leis de blasfémia do Paquistão. Um deles foi mesmo recebido pelo Arcebispo de Cantuária.

Um pregador muçulmano da África do Sul que comparou judeus a pulgas não teve nenhum problema em entrar no país e até discursou num organismo do Estado.
Enquanto isso, o Reino Unido negou a entrada a três bispos de áreas do Iraque e da Síria onde os cristãos estão proibidos de entrar no país.

400 jihadistas islâmicos voltaram para o Reino Unido, apenas 54 foram levados a Tribunal.





Via Amigo de Israel