Drogarias e Farmácias

quinta-feira, 29 de março de 2018

TWITTER RECRUTA POLÍCIA GAY PARA CENSURAR OPINIÕES


Não dá para isso ser bom para a liberdade de expressão e para a troca de ideias. Seja como for, não para cristãos e conservadores.

O Twitter anunciou na quarta-feira que reuniu um novo “Conselho de Confiança & Segurança do Twitter” para “garantir que as pessoas se sintam seguras se expressando no Twitter.”
Quem é a favor da segurança?

Todo mundo!

No entanto, tudo o que precisamos fazer é olhar para a loucura dos tão chamados “espaços seguros” nas universidades dos EUA para ter uma vista rápida do que o Twitter sem dúvida quer dizer aí. Entenda que, para a Esquerda, a palavra “seguro” não tem nada a ver com, vejamos, segurança, e tudo a ver com censura.

Vamos definir os termos. Espaço seguro: substantivo, 1. Círculo progressista de indivíduos que se acham campões e vivem no porão, abrigados do pensamento crítico, opiniões diferentes, realidade e oxigênio.

Com sua nova iniciativa, o Twitter diz que busca “tocar o equilíbrio certo entre combater abusos e falar a verdade que as autoridades precisam ouvir.

O que, exatamente, constitui “abusos,” “verdade” e “autoridades” não se sabe, mas, com base no longo histórico do Twitter de colocar na lista negra e remover conservadores de sua plataforma, acho que todos sabemos quem acaba sendo tratado de forma desonesta nisso.

“Para garantir que as pessoas possam continuar a se expressar com liberdade e segurança no Twitter, precisamos fornecer mais ferramentas e políticas,” a empresa afirma. “O Twitter não tolera conduta que tem a intenção de incomodar, intimidar ou usar medo para silenciar a voz de outro usuário.”

Pinte-me de ultra-cético, mas como comentou Daniel Payne no site The Federalist, “O Twitter já permite que os usuários emudeçam ou bloqueiem qualquer um que está aborrecendo ou ameaçando. Não existe necessidade prática para um ‘conselho’ fazer as pessoas se sentirem ‘seguras’ no Twitter. 

Bloquear é uma ferramenta eficiente para qualquer um que precisa dela. Você pode sempre denunciar à equipe do Twitter o troll raro que não quer parar.

“A formação aparentemente supérflua de um ‘Conselho de Confiança e Segurança,’ então, sugere um tipo de inspecionamento processual da política interna do Twitter sobre a liberdade de expressão,” conclui Payne.

Concordo.

Aliás, para a frágil mente esquerdista, qualquer discordância de sua marca rígida e decididamente unilateral de “tolerância” e “diversidade” constitui “conduta que tem a intenção de incomodar” ou “intimidar.” Para aqueles que não podem vencer um argumento na base de méritos, a via da resistência menor é silenciar toda discordância.

No entanto, se havia alguma dúvida se o Twitter estará adotando a definição mencionada acima de “espaço seguro” em seu esforço de fazerem os usuários do Twitter “se sentirem seguros,” essa dúvida é imediatamente dissipada graças a quem o Twitter nomeou como representante. Embora haja algumas organizações legítimas de centro-esquerda que combatem o bullying no “conselho,” a lista é igualmente composta de grupos extremistas barulhentos e desordeiros como Feminist Frequency e GLAAD (cujo nome antes era Aliança Gay & Lésbica contra a Difamação).

O que está bem na vista é a ausência de uma única organização conservadora ou cristã.

Então, o que GLAAD e o resto da “Polícia do Twitter” estarão fazendo? É difícil dizer com certeza já que o Twitter não quer dizer, mas, considerando o que GLAAD já faz, podemos nos aventurar a fazer uma suposição justa.

GLAAD é uma organização homossexual extremista de censura que, por suas farsas difamatórias, foi credenciada em 2015 pela entidade muito respeitada Associação da Família Americana como uma “organização descaradamente anticristã.” O propósito principal de GLAAD é forçar a indústria do entretenimento e a mídia noticiosa a apresentar retratações irrealisticamente favoráveis dos estilos de vida homossexual e confusão de gênero, enquanto simultaneamente censura retratações positivas do casamento natural e da família natural, e silencia aqueles que têm valores bíblicos sobre casamento e sexualidade humana.

Uma das iniciativas de censura mais preocupantes de GLAAD foi seu orwelliano “Projeto de Prestação de Contas de Comentaristas.” Essa foi uma iniciativa desesperada para “suprimir a cosmovisão bíblica dos meios de comunicação.” Vários ativistas homossexuais foram recrutados para contactar, atormentar e até intimidar veículos dos meios de comunicação, como a CNN, Fox News, New York Times e outros para colocar na lista negra analistas culturais cristãos (inclusive eu) para impedi-los de fornecer comentários e análises políticas na imprensa.

Embora a campanha de difamação tenha no final das contas fracassado, traiu, para o mundo inteiro ver, os planos visíveis de GLAAD sobre censura contra os conservadores e cristãos. E agora tem suas digitais imundas de cor de arco-íris espalhadas por toda parte num dos maiores e mais populares sites de mídia social do mundo.

Aproveitem sua liberdade de expressão no Twitter enquanto puderem, cristãos conservadores. Seus tuítes são passarinhos num fio de eletricidade, e GLADD está com sua pistola de chumbinhos nas mãos.

Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Twitter enlists 'gay' thought police